Pastores formam grupo para levar o Evangelho ‘aonde ninguém quer ir’

153

O ‘Coletivo de Creta’ foi criado para levantar fundos para plantações de igrejas em áreas de baixa renda.

Um grupo multiétnico de pastores urbanos está levantando US$ 2 milhões para levar novas igrejas a comunidades pobres de cor. Eles lamentam que nessas áreas os evangélicos plantaram poucas congregações nas últimas duas décadas.

“Como as redes denominacionais evangélicas maiores são principalmente anglo-americanas, elas pensam que seu público-alvo se parece com elas”, disse o reverendo Aaron Reyes, membro do conselho do Coletivo de Creta, ao The Christian Post. “Isso não é pecado em si, mas deixa de fazer discípulos de todas as nações, a Grande Comissão.”

O Coletivo de Creta leva o nome da epístola de Paulo dizendo a Tito “para pôr em ordem as coisas que estão faltando e nomear anciãos em cada cidade” de Creta. Mais tarde naquele capítulo, o apóstolo diz que um poeta da ilha ao largo da Grécia chama seu próprio povo de mentiroso, mau e preguiçoso, e embora isso possa ser verdade, Tito deve liderar para que os anciãos se tornem fiéis a Cristo.

O coletivo afirma que é assim que muitos olham para bairros diversos e de baixa renda. “Creta era provavelmente o tipo de lugar que as pessoas evitavam. Poucos procurariam ir para lá”, afirma seu site. “Mas Deus é diferente. Deus pretende que pessoas e lugares negligenciados ouçam as boas novas de Seu amor em Jesus Cristo.”

O Coletivo de Creta é liderado pelo Rev. Thabiti Anyabwile, pastor sênior da Igreja do Rio Anacostia em Washington, D.C.

Também fazem parte da sua diretoria os pastores Jeremy McClain da Igreja Mercy of Christ Fellowship, também na capital do país; Darryl Williamson, da Living Faith Bible Church em Tampa, Flórida; Louis Love Jr. da Igreja New Life Fellowship na Grande Chicago; John Onwuchekwa da Igreja Cornerstone de Atlanta; e a Igreja da Comunidade Reyes of Hope em Austin, Texas.

Todos são negros, exceto Reyes, um mexicano-americano de segunda geração.

Guiame