Holanda deve legalizar eutanásia em crianças menores de 12 anos

22

A Holanda está preparando o caminho para a eutanásia legalizada de crianças muito pequenas.

De acordo com o NLTimes, o país do noroeste europeu, que já tem algumas das políticas de eutanásia mais liberais do mundo, provavelmente expandirá sua lei para permitir que crianças de 1 a 12 anos sejam sacrificadas em certas circunstâncias. A prática já é legal para jovens a partir de 12 anos e já era possível para crianças no primeiro ano de vida.

A expansão requer que a criança sendo sacrificada esteja com uma doença terminal.

“Uma vez que a morte está no banco do motorista, ela nunca pisa no freio”, comentou o estudioso Wesley J. Smith, do Discovery Institute, em uma postagem do blog da National Review, observando que ele não acredita que o requisito de “doença terminal” vai durar pois a lei já é obscura o suficiente, considerando como os médicos pró-eutanásia exploram a “área cinzenta” na prática.

A agência holandesa passou a descrever como na nova política os médicos só têm permissão para sedar permanentemente ou reter nutrientes das crianças até que morram, chamando a prática de “cuidados paliativos”.

Sob o que é conhecido como o Protocolo de Groningen – um conjunto de diretivas médicas holandesas de 2004 com critérios segundo os quais os médicos são autorizados a realizar “finalização ativa da vida em bebês” sem medo de repercussões legais – bebês na Holanda podem ser sacrificados por deficiências graves e doença terminal.

O ministro da Saúde holandês, Hugo de Jonge, disse ao Parlamento esta semana que a eutanásia infantil deveria ajudar “um pequeno grupo de crianças com doenças terminais que agonizam sem esperança e sofrendo insuportavelmente”. A proposta atingirá anualmente entre cinco e 10 crianças que sofrem “em consequência, em alguns casos desnecessariamente, por muito tempo, sem perspectiva de melhora”.

A proposta dividiu os políticos com o partido VVD do primeiro-ministro Mark Rutte e o partido centrista D66 que apoia a expansão e o partido de Apelo Democrata Cristão de De Jonge e a União Cristã que se opõe a ela. Grupos de pais e a Associação Pediátrica Holandesa, NVK, também estão apoiando o plano.

Em 2002, a Holanda se tornou o primeiro país europeu a autorizar legalmente a eutanásia, e as leis que permitem quando as pessoas podem optar por acabar com suas vidas foram diminuindo com o tempo.

De acordo com a associação europeia de bioética AllianceVita , na primeira década de sua legalização, o número de casos de eutanásia dobrou; nos primeiros 15 anos, as taxas triplicaram. Em 2016, uma média de 16 pessoas estavam sendo sacrificadas diariamente e eram responsáveis ​​por 4% de todas as mortes anuais na Holanda.

“A maioria desses casos de eutanásia (83%) foi realizada em pacientes que sofrem de doenças incuráveis, outros 10% para patologias múltiplas, 4% para deficiências relacionadas à idade avançada, 2% para transtornos psiquiátricos e 1% para demência”, disse o grupo relatado.

Folha Gospel com informações de The Christian Post