Índia proíbe grupos cristãos de receber ajuda estrangeira

35

Em meio a outra repressão à ajuda externa, a Índia cancelou as licenças de seis organizações cristãs para receber doações de fora do país, em um movimento que alguns dizem ser pouco mais do que uma “extorsão” do partido nacionalista hindu sobre esses grupos.

De acordo com um relatório da ‘UCA News’, as organizações ‘New Life Fellowship Association’, ‘Evangelical Churches Association’, ‘Ecreosoculis North Western Gossner Evangelical’ e ‘Northern Evangelical Lutheran Church’ tiveram suas licenças canceladas sob a Lei de Regulamentação de Contribuições Estrangeiras.

John Prabhudoss, presidente da Federação de Organizações Cristãs Índio-Americanas da América do Norte , disse ao The Christian Post que o Hospital Rajnandgaon Leprosy (um membro da Associação Médica Cristã da Índia) e a DonBosco Tribal Development Society – duas instituições de caridade cristãs adicionais – também perderam suas licenças para conseguir receber doações estrangeiras.

Sem essas licenças, as organizações cristãs não poderão receber legalmente doações de fora da Índia, dificultando sua capacidade de manter seus ministérios evangelísticos.

“De vez em quando, questões relevantes sobre as normas [para receber doações estrangeiras] são revisadas e ações governamentais são tomadas”, disse um funcionário do Ministério do Interior à UCAN sem citar uma razão específica pela qual as licenças das organizações cristãs foram canceladas.

Prabhudoss disse ao Christian Post que restringir o fluxo de dinheiro estrangeiro para organizações cristãs é “chantagem” por parte do governante Partido Bharatiya Janata, liderado pelo primeiro-ministro Narendra Modi, “na expectativa de um dia de pagamento”.

“Uma ação governamental como a tomada contra essas instituições cristãs é tomada contra aqueles que recebem quantias substanciais de doações / investimentos do exterior”, explicou ele.

“Aí entram os intermediários oferecendo soluções para o governo. Esses intermediários nomearão seu preço. Assim que o valor for pago, eles irão inocentar a instituição de todas as irregularidades. Então, oficialmente, eles restaurarão a capacidade dessas instituições de receber fundos do exterior. Essas ‘doações’ são pagas aos fundos do partido ou afiliados do partido nacionalista hindu BJP”.

Desde que Modi assumiu o cargo em 2014, mais de 11.000 organizações não governamentais perderam suas licenças para aceitar fundos estrangeiros, de acordo com o The New York Times.

Em 2017, a Compassion International, uma organização cristã sediada nos EUA que atendia mais de 100.000 crianças pobres na Índia, foi forçada a interromper suas operações depois que sua licença FCRA (para doações) foi cancelada “por suspeita de envolvimento em conversão religiosa”.

Ação internacional

Prabhudoss disse ao Christian Post que “não está surpreso” com a última repressão da Índia à ajuda externa, acrescentando que tais ações não teriam acontecido “se a administração Trump levasse o caso da Compassion International a sério há três anos”.

“O presidente Trump evitou tomar qualquer atitude”, disse ele. “Fui informado que o presidente não demonstrou nenhum interesse quando foi informado por um amigo seu na Casa Branca. Esse tipo de inação ou falta de reação em um caso envolvendo a Compassion International fortaleceu muito a confiança do partido nacionalista hindu liderado pelo Sr. Modi”.

De acordo com Prabhudoss, as ações do governo Modi podem ser reduzidas a “algumas pessoas nos círculos de poder mais alto na Índia, tentando arrecadar doações para o partido Hindu BJP”.

“Infelizmente, fui levado a acreditar que várias organizações cristãs que enviam fundos para homólogos indianos pagaram essas ‘doações’ para restaurar seu status”, disse ele. “No entanto, a maioria das instituições de caridade cristãs não atenderia ou não poderia atender a essas demandas de pagamento. Assim, eles perdem a capacidade de receber fundos para continuar operando”.

Prabhudoss pediu às autoridades americanas que enviassem “um forte sinal à Índia de que tais ações do governo não são apreciadas e que