China monitora celulares para bloquear termos como “Deus Todo-Poderoso”

61

Um ex-funcionário de uma das maiores empresas de tecnologia da China revelou como o regime comunista está manipulando a opinião pública, monitorando os telefones celulares dos cidadãos, bloqueando quaisquer palavras consideradas “sensíveis ao estado” – como “Deus Todo-Poderoso”.

Li, um ex-funcionário da ‘China Mobile Online Services Company’, uma subsidiária da ‘China Mobile Limited’, maior estatal prestadora de serviços de telecomunicações da China continental, disse à revista de liberdade religiosa ‘Bitter Winter’ que “simplesmente não há privacidade na China”, Com autoridades monitorando mídias sociais, chamadas e mensagens em telefones celulares.

“Se alguém disser algo considerado desfavorável ao Partido Comunista Chinês, será punido. Todas as pessoas são monitoradas e controladas sob o pretexto de reprimir o assédio”, disse Li.

Antes de deixar o cargo, Li trabalhou como “censor”, juntamente com cerca de 500 outros funcionários, monitorando as ligações e mensagens dos usuários da empresa.

O programa de vigilância, que abrange todos os usuários da China Mobile nas 31 unidades administrativas em nível de província, excluindo Hong Kong, Macau e Taiwan, está programado para detectar automaticamente qualquer coisa relacionada a políticas e crenças religiosas.

Uma vez que informações “prejudiciais” são descobertas – como comentários críticos ao PCC e desfavoráveis ​​aos líderes estaduais – os funcionários da empresa são designados para analisá-las completamente, revelou Li.

“Se algum desses ‘censores’ não fosse cuidadoso o suficiente e perdesse uma informação sensível, isso resultaria no desconto do salário mensal e bônus de final de ano”, ele lembrou. “Normalmente, eu precisava lidar com mais de dez mil informações todos os meses. Era inevitável cometer erros, pelo menos um ou dois por ano”.

Palavras e frases relacionadas à religião, como “Deus Todo-Poderoso” e “Falun Gong”, estão entre as palavras consideradas “sensíveis”, além de qualquer menção à revogação da associação ao Partido Comunista ou à Liga da Juventude Comunista.

“Qualquer coisa considerada desfavorável ao PCC é rotulada como ‘política’”, explicou Li. “Por exemplo, medidas imediatas serão tomadas para interceptar mensagens que mencionam a extração de órgãos do PCC de praticantes do Falun Gong para evitar vazamentos”.

“Se quaisquer palavras confidenciais fossem deduzidas durante chamadas telefônicas, em MMS, SMS ou mensagens em sites de redes sociais como o WeChat, o sistema interceptaria automaticamente as informações e os serviços dos usuários seriam desativados instantaneamente, desabilitando essas pessoas para fazer ligações ou enviar mensagens”, continuou Li. “Se os usuários desejam reativar o serviço, eles precisam ir a um centro de serviço da China Mobile com seu cartão de identificação e escrever uma declaração prometendo nunca mais compartilhar nenhuma informação sensível”.

Comentários considerados particularmente “inapropriados” podem ter penalidades mais severas, revelou Li. Ele compartilhou como, em maio, um residente na província de Fujian, no sudeste, foi interceptado na fronteira, e seu passaporte foi destruído por guardas de fronteira que lhe disseram que ele estava proibido de viajar para o exterior porque já havia feito comentários criticando o PCCh e o Estado. líderes.

Seus comentários foram considerados “insultuosos ao governo” e “perturbadores da ordem pública”.

“Os critérios de censura foram atualizados constantemente nos últimos anos, resultando em mais censura pesada e menos brechas”, acrescentou Li.

Outro funcionário de uma empresa de censura na Internet disse ao Bitter Winter que piadas e comentários satíricos ou vídeos sobre o governo e seus líderes devem ser excluídos imediatamente. Uma pequena supervisão do funcionário resulta em punições severas, disse o funcionário.

Registros

A censura do governo chinês à atividade online está bem documentada.

Quaisquer referências ao ‘Ursinho Pooh’ foram banidas das plataformas de mídia social da China, incluindo Weibo e WeChat. Além disso, o compartilhamento de informações sobre o ursinho de pelúcia ficcional é considerado ilegal desde que o presidente Xi Jinping foi comparado a ele em 2013.

No ano passado, a China proibiu varejistas on-line de vender a Bíblia em esforços para controlar o crescente cenário religioso do país.

Esta semana circularam nas mídias sociais imagens de um homem algemado a uma cadeira de metal sendo interrogado pela polícia chinesa por criticar a polícia de trânsito nas mídias sociais. O homem, chamado Luhua, foi forçado a confessar que está falando mal da polícia em várias plataformas de mídia social. Ele então pede desculpas por seus comentários.

No dia 1º de dezembro, o governo chinês lançou planos exigindo que todos os novos proprietários de smartphones se registrassem nas varreduras de reconhecimento facial, informou a Radio Free Asia.

A medida foi descrita pelo ministério da indústria e da informação da China como uma maneira de “proteger os legítimos direitos e interesses dos cidadãos no ciberespaço”. No entanto, a nova regra facilita o rastreamento de usuários chineses de telefones celulares e internet, refletindo a crescente repressão do governo central sobre os direitos dos cidadãos, alertam os ativistas.