Meditações sobre o livro dos Salmos (leia Salmo 30)

14

Tornaste o meu pranto em folguedo… SENHOR, meu Deus, eu te louvarei para sempre. Salmo 30:11-12

Verdadeiro para o remanescente de Israel, os cinco primeiros versículos deste Salmo são perfeitos para o encorajamento de todos os redimidos, pois os faz lembrar de que a leve e momentânea tribulação lhes produzirá um peso de glória eterno (2 Coríntios 4:17). As lágrimas que muitos experimentam na longa e escura noite deste mundo, logo cederão lugar a canções de júbilo na manhã do dia eterno. No entanto, mesmo durante a noite, em meio às tribulações, aquele que conhece o Senhor possui uma alegria interior que o capacita a cantar louvores (Salmo 42:8; Jó 35:10) e a testemunhar de maneira poderosa (Atos 16:24-25).

É perigoso ficar desencorajado em tempos de provação. Por outro lado, um crente que desfruta de prosperidade corre o risco de confiar nela (como o salmista diz: a minha montanha, vv. 6-8), tornando necessário que Deus sacuda as fundações de tudo o que não for Ele mesmo. O amor à prosperidade deste mundo facilmente se torna um obstáculo para a comunhão com o Senhor; portanto, devemos pedir que Deus nos livre desse engano. Como escapar de tais perigos? Olhando além desta noite atual, para o Deus que é nosso auxílio e que converte nosso pranto em festa (vv. 10-11).