Em reunião com Jair Bolsonaro, Jaqueline Cassol cobra regularidade na aplicação do Revalida

30

Deputada federal reivindica que governo brasileiro possibilite trabalho de médicos formados no exterior

Médicos formados no exterior, que querem exercer a profissão no Brasil, precisam ser aprovados no Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos expedidos por Instituição de Educação Superior Estrangeira, o Revalida. Porém, não há periodicidade na realização da prova, o último edital foi aberto em 2017.

Para discutir esse problema e cobrar respostas do Governo Federal, a deputada Jaqueline Cassol (PP-RO) se reuniu, juntamente com outros parlamentares que defendem a causa, na tarde da última quarta-feira (29), com o presidente da República Jair Bolsonaro (PSL).

Jaqueline Cassol defendeu que é necessário que haja regularidade e periodicidade na realização do Revalida. “Em 2011, o Ministerio da Educação anunciou que a prova seria anual. Infelizmente não se concretizou. A última vez que houve inscrição foi em 2017 e levou dois anos até sair o resultado final.”

Durante a reunião também foi pedido ao presidente que haja uma atenção especial ao Programa Mais Médicos, que para a deputada deve funcionar em sintonia com o Revalida. “Existem algumas localidades onde apenas os médicos estrangeiros aceitam trabalhar. Além disso, nós sabemos que muitos brasileiros estudam fora e desejam voltar para trabalhar em casa. E, recorrentemente, isso se torna possível através do Mais Médicos. Ou seja, é essencial que as duas políticas estejam em sintonia”, destacou Jaqueline Cassol 

O Presidente da República, Jair Bolsonaro, recebeu os pedidos e garantiu que tomará providências céleres junto à sua equipe ministerial.

Também participaram da reunião os deputados Alan Rick (DEM-AC), João Roma (PRB-BA), Professora Dorinha (DEM-TO). Além dos ministros da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e da Educação, Abraham Weintraub, o presidente do Instituto Nacional Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), Alexandre Lopes, o Secretário de Educação Superior, Arnaldo Lima Júnior e da Secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Mayra Pinheiro.