Uruguai: Montevidéu sediará reunião sobre Gestão Internacional de Produtos Químicos

118

Em todo o mundo, a capacidade de produção química é de 2.300 milhões de toneladas, avaliadas em 5 bilhões de dólares por ano. De acordo com o relatório sobre as perspectivas de produtos químicos mundialmente, este número vai dobrar em 2030. Esta questão será discutida na próxima reunião das Nações Unidas sobre Gestão de Substâncias Químicas Internacional, em Montevidéu , de 2 a 4 abril.

No âmbito da Quarta Assembleia das Nações Unidas para o Meio Ambiente, que aconteceu em Nairóbi, Quênia, de 11 a 15 de março, segundo informação do site do Ministério da Habitação, Planejamento Territorial e Meio Ambiente, foi apresentada a síntese do relatório “Perspectivas de produtos químicos em todo o mundo II: dos legados às soluções inovadoras – a implementação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável “.

O eixo central da cúpula é trazer soluções inovadoras para os desafios ambientais, produção e consumo sustentáveis. Nesta linha, o relatório concluiu que a atual capacidade de produção química de 2.300 milhões de toneladas, avaliada em 5 bilhões de dólares por ano, dobrará até 2030.

A preparação deste relatório envolveu mais de 400 cientistas e especialistas de todo o mundo e será publicado oficialmente no dia 01 de abril de 2019, na terceira reunião do do Grupo de Trabalho de Composição Aberta para Foco Estratégico na Gestão Internacional de Produtos Químicos, no Uruguai.

O relatório também afirma que, apesar dos compromissos para maximizar os benefícios e minimizar o impacto desta indústria, continuam a ser liberar produtos químicos perigosos no meio ambiente presentes no ar, água, solo, alimentos e seres humanos. Esse relatório conclui que, embora os tratados internacionais e os instrumentos voluntários reduzam os riscos de alguns produtos químicos e resíduos, o progresso dos países é desigual e as lacunas na implementação continuam. Por exemplo, até 2018, mais de 120 países não implementaram o Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos.

Por sua vez, a Organização Mundial da Saúde estimou que um conjunto de substâncias químicas selecionadas custou a vida de 1,6 milhão de pessoas em 2016. A contaminação química também ameaça uma série de serviços ecossistêmicos. Os benefícios da ação para minimizar impactos adversos são estimados em dezenas de bilhões de dólares por ano.

Além disso, verificou-se que os pesticidas têm um impacto negativo sobre polinizadores, o uso excessivo de fósforo e nitrogênio na agricultura contribuem para a criação zonas mortas no oceano e os produtos químicos utilizados em protetores solares exercem pressão sobre os ecossistemas recifes de coral. Estudos também indicam que o despejo de alguns antimicrobianos, metais pesados ​​e desinfetantes contribuem para a resistência antimicrobiana.

Entre as possíveis soluções para este problema, o relatório relata que os governos estão tomando medidas regulatórias sobre muitos produtos químicos. As empresas líderes estão impulsionando os padrões além dos requisitos de conformidade e o gerenciamento sustentável da cadeia de suprimentos, e os consumidores estão aumentando a demanda por produtos e métodos de produção mais seguros. O desenvolvimento de uma plataforma global futura para a gestão sólida de produtos químicos e resíduos para além de 2020 oferece uma janela de oportunidade. Como o relatório indica, todos os setores e partes interessadas relevantes devem ser reunidos, bem como promover ações colaborativas e ambiciosas.

Esta importante reunião que se realizará em Montevidéu entre 2 e 4 de abril será uma plataforma para formular e negociar um novo quadro político internacional para o gerenciamento de substâncias químicas e resíduos até 2020.

O Uruguai mantém um papel ativo desde o início do estabelecimento da agenda internacional sobre produtos químicos. Ele acolheu a primeira Conferência das Partes na Convenção de Basileia (1992) e sediou a primeira Conferência das Partes da Convenção de Estocolmo (2005), assumiu a presidência durante a primeira Conferência Internacional sobre Gestão de Produtos Químicos, em Dubai ( 2006), presidiu o Comitê Intergovernamental de Negociação da Convenção de Minamata (2006), organizou a Quarta Reunião do Comité Intergovernamental de Negociação da Convenção de Minamata (2012), sediou a Reunião Regional preparatória da Conferência das Partes da Basileia, Estocolmo e Rotterdam (2015) e serviu como vice-presidente em representação do Grupo Regional da América Latina e das Caraíbas (GRULAC) da Convenção de Estocolmo sobre Poluentes Orgânicos Persistentes para o período mencionado