O monte de Deus

261

Deus… que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós.

(Romanos 8:31-32)

Gênesis 22:1-14

Quando eu tinha quase 10 anos um crente belga visitava nossa região. Meus pais o convidaram para vir a nossa casa. Quando terminamos a refeição, ele pegou sua Bíblia e leu o capítulo 22 de Gênesis. Descreveu o caminho de Abraão quando subia com seu filho às montanhas de Moriá. Estavam quase chegando ao destino, quando seu filho Isaque, lhe perguntou: “Meu pai… eis aqui o fogo e a lenha, mas onde está o cordeiro para o holocausto?” (v.7). O que lhe responderia o patriarca? Por acaso lhe diria: “É você meu filho”. Não, o pai respondeu: “Deus proverá para si o cordeiro para o holocausto, meu filho” (v.8). Abraão tinha que prosseguir no caminho, ir até o final, até o altar, até o momento em que o pai levantaria o cutelo contra seu filho.

Meu coração de menino batia muito forte. Não conhecia essa história bíblica, não sabia que Abraão ia encontrar um carneiro para oferecê-lo no lugar de seu filho. Nosso amigo compreendia meu choque e me disse: “quero levar-te um pouco mais adiante. Deixemos o monte Moriá e vamos ao Calvário. Não foi um patriarca, mas o próprio Deus que deu a Seu Filho, e ninguém O deteve. Castigou Seu Filho e não O perdoou. Sabe por que fez isso? Jesus assumiu a responsabilidade dos pecados de todos os que creem nEle, para obter Seu perdão. Éramos nós que merecíamos ser castigados e Ele foi castigado em nosso lugar”.

Naquela época eu era um menino, agora sou um ancião, mas o tempo não apaga a lembrança, e sempre volto a pensar no “monte” onde Deus deu Seu Filho.