Publicada em 14/06/2018 às 15:28

Navegando em Cristo – Por Ricardo Oliveira

Manifestando o teu amor sublime pela humanidade, vens a ser a mais doce das poesias! Daquelas dos quais me levam constantemente a navegar pela graça, e dela consumir a essência que trazes, Senhor!

 

Manifestando o teu amor sublime pela humanidade, vens a ser a mais doce das poesias! Daquelas dos quais me levam constantemente a navegar pela graça, e dela consumir a essência que trazes, Senhor! Tempos através, meu ser poético ainda vivia a escrever tantos outros textos, mas hoje, é em ti Jesus a minha esperança.

Penso em como posso te amar ainda mais profundamente, e de que maneira meu coração posso te dar em meio as atribulações, entretanto, sei dos louvores constantes a serem aceites por sua generosidade, por isso sois definitivamente o meu Deus escrito nas Escrituras. Não posso jamais deixar de ser tocado por você.

Nem mesmo desejaria me acostumar com a sua ausência! Ou seja, é necessária à nossa conversa, mesmo que seja no olhar.  Surpreendo com suas maravilhas, e os versos dos quais sempre preparas para minha alma contemplar a sua face. Vejo-te tão belo em se mostrar nas formosas flores vermelhas que, quero apenas amar.

Amar-te sem ser um SEGREDO! Amar-te sem ter medo de caminhar… Isso transformaria o pequeno momento num verbo chamado: ADORAR. Sim, adorar na Palavra, na Eucaristia e nos irmãos e irmãs. Santo Agostinho dizia: Exalaste Teu Perfume e respirei. Agora suspiro por ti, anseio por ti!

 

                                                               Por onde tens navegado?

 

A Coluna Versos Em Cristo traz a sensibilidade das poesias como belos cânticos a nos ajudar na nossa intimidade com o Mestre. Publicado de Segunda a Sexta no Jornal O Nortão

oliveirapoeta.oliveira@gmail.com

 www.jornalcontemplatio.blogspot.com.br

Autor: Ricardo Oliveira
Fonte: jornalcristao.com.br

Comente com o Facebook